A 3ª fase do programa do governo federal Minha Casa, Minha Vida sofreu algumas mudanças causadas por problemas orçamentários.

O presidente interino Michel Temer disse em entrevista, que deverá encerrar os benefícios concedidos às pessoas de baixa renda que estiverem enquadradas na faixa 1 e na faixa 2, ou seja, com renda familiar de até R$1.800 e os que recebem até R$3.600.

Com essas medidas, a 3ª etapa do programa para aquisição da casa própria será totalmente reformulada. O relançamento terá uma meta inferior ao que foi prometida pela presidente afastada Dilma Roussef. A presidente tinha dito que faria mais 3 milhões de residências em 2014 antes de sua reeleição.

O governo atual cortou esse número pela metade, só será possível a liberação d e 1,5 milhão de unidades nos próximos 3 anos, saiba mais sobre negocios a venda em curitiba.

Temer também fará outra mudança. Haverá a extinção da nova faixa de renda de 1,5 que era uma novidade para a 3ª etapa do programa, mas que não sairá do papel.

O governo federal criou o programa MCMV em 2009 e as atuais alterações poderão adiar os projetos das famílias que sonham em adquirir a casa própria.

Alguns fatores podem colaborar para uma melhora no cenário do mercado imobiliário para 2017.

Entre eles, destacamos a inflação brasileira que caiu de 10,7% em 2015 para 7,2% em 2016. Para o próximo ano, a previsão do mercado financeiro é que a inflação fique em torno de 5,07%, de acordo com divulgação do Banco Central.

Outro fator importante é a redução das taxas de juros. Enquanto ela estiver sendo mantida em alta, o crédito fica mais pesado e colabora para o recuo do consumo das famílias e menor injeção de capital das empresas. De acordo com o mercado, a estimativa é que a taxa de juro fique em torno de 11% com previsão de mais queda para 2018.

O PIB também contribui para uma boa recuperação do mercado imobiliário brasileiro já que é importante medidor de comportamento da economia brasileira. O PIB é um dos indicadores mais utilizados na macroeconomia para mensurar a atividade econômica de um país. ele representa a junção de todos os bens e serviços feitos dentro do Brasil.

Olhando para estes fatores a perspectiva é favorável ao mercado imobiliário. O FMI (Fundo Monetário Internacional) também está otimista com o crescimento do PIB brasileiro em 2017. É o que diz a melhor imobiliaria em presidente prudente.